"Good cats are dead cats"

.

.

Seja bem vindo ao meu mundo onde a fantasia é a única realidade!

sexta-feira, 31 de maio de 2019

Tenho sonhado noites intensas com pessoas que não fazem mais parte da minha vida
Se elas decidiram ir, meu inconsciente precisa aprender a lidar com esse luto logo
Caralho

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Eu estava nessa mesma estrada coberta de lama
E eu não sabia o que havia nela
Mas sabia que haviam corpos
Rãs pulavam por toda parte
Eu estava muito doente
Meu pai tinha a mesma doença que a minha e estava na cama
E então eu não estava mais lá
Eu estava no meu quarto
Na minha cama de casal as rãs pulavam e eu as agarrava pela mão e em vão tentava as jogar fora
Eu não tinha mais força alguma
Camila estava no meu sonho o tempo todo, perguntando se eu não queria ir ao médico com meu pai logo.
Só que eu não conseguia sair de casa por causa das rãs...
Estou com medo do significado desse sonho
Porque os deuses nunca mentem 

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Daya

Ela estava com a mesma camisa de estampa laranja, o sorriso no rosto.
Eu andava e o céu era de um roxo intenso, escuro, claro. O vento soprava forte e eu tinha o cabelo pouco mais longo que agora, o vento quase me fez cair e você riu.
- Finalmente conseguimos ein
- Eu estava ansiosa demais por hoje
- Vem cá, quero te mostrar algo
E então entramos no meu bosque preferido, e caminhamos até a minha primeira árvore, não a que eu ganhei de um amigo e já levei outras pessoas, a minha árvore que era praticamente só minha. Lá eu havia deixado uma toalha com sorvete, cerveja e o violão.
Sentamos e começamos a comer o sorvete antes que ele derretesse e depois as cervejas, quase não havia conversa. Eram risos tímidos e olhares atrevidos. Você pegou o violão e começou a cantar pra mim
- Eu imaginei que você cantasse, mas não sabia que era tão perfeito assim
- Não mais perfeito que você aqui comigo
Eu tirei seu violão e sentei entre suas pernas, ela deitou nos meus ombros e o cabelo amaciava minha pele. E então os olhos dela se ergueram, procurando meus lábios com o nariz, depois rosto, era um toque sútil, pele com pele, respiração com respiração. Até que encontrou meus lábios, sorrimos, rimos na verdade, e então o beijo veio.
Já faz horas que acordei, e ainda posso sentir o beijo em mim.

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

3 calmantes para Luísa


Meu quarto estava muito escuro, alguém passou correndo por mim rindo, mas até então a criança não tinha noção que eu estava ali.
Ouvi ela cochichar no corredor "Maria voltou, deixa eu brincar com ela de novo por favor"
E então eu não estava mais no meu quarto, estava na sala, saindo pela porta em direção a garagem.
No chão havia uma pequena folha, acredito ser de rosa, manchada de várias pintinhas, abaixei pra pegar ela, a achei muito linda, mas as crianças passaram correndo novamente por mim e sopraram com o vento do corpo a folha pra longe.
Andei até o portão de casa, então ouvi uma mulher em minha cabeça dizendo "não saia, fique aqui mesmo, só observe"
Olhei pra rua e havia um homem sentado no chão, ele era como uma sombra preta e o rosto não tinha face, era uma mancha vermelha enorme achatada. Algumas pessoas com olhos amarelos e vermelhos pararam para ajudá-lo, elas falavam algo "ele está se desestabilizando" "ele precisa aceitar logo se não vai se perder" "alguém precisa buscar ajuda" "não, ela disse que não iria mais vir aqui nos ajudar, ela acha que está louca"
Então eu vi a mão seca esticando para mim
"Venha comigo, rápido"
Sai pelo portão, e as pessoas ainda não me notavam, exceto por aquela menina que ficava ao longe me observando.
Na frente de casa há um jardim. Olhei pra ele e ele estava diferente do dia anterior, uma das flores estava seca, só uma delas. Ontem a noite quando cheguei em casa me lembro de ter olhado para as flores e elas estavam todas iguais... Recém floridas.
Sai andando pela cidade e era aquele mesmo cenário de caos, haviam umas vendas de frutas e carnes na rua, mas tudo cheirava a podre.
Uma moça vendia bolos, e um deles era idêntico ao do meu noivado com meu ex, fiquei olhando, me lembrei de um sonho muito antigo que eu tive... no qual eu  falava sobre esse bolo com uma moça na praça, o quanto eu amava aquele sabor... a mesma moça ali na banca... por um momento paralisada pensei "céus, que lugar é esse".
- Eu não aguento mais isso
A menina que queria brincar comigo estava se sentando na beira da calçada comigo.
- Você vai mesmo se fechar e nunca mais voltar?
- Eu não sei Dulce, eu só não aguento mais isso, eu estou perdendo minha sanidade
- Você já ajudou tantas pessoas
- E a mim? Quem me ajudaria? É sempre tudo vazio, as visões, as premonições
- Algumas informações  chegam distorcidas até você por causa do espaço temporal
- Eu não sei mais o que pensar, eu só preciso parar pra respirar
- Sim, você precisa
E então eu estava no meu quarto, vi meu corpo tremendo na cama.
Fui até meu nariz com as mãos, e não havia ar ali.
- Maria, você não pode negar quem você é.
- Não posso, mas não é negação quando não se sabe o que negar.
- Você sabe muito bem sim o que você é. (E agora quem falava era a mulher da mão seca)
Eu senti uma vontade enorme de me aconchegar nos braços dela, de chorar sem parar, mas não fiz isso.
Eu deitei sobre o meu corpo e me aconcheguei em mim. E ali eu fiquei comigo mesma, chorando aterrorizada.
Não conseguia acordar por conta dos calmantes, mas eu não queria acordar, eu poderia ficar ali pela eternidade, só parada, no silencioso breu.
A mulher sentou aos pés da cama e me disse
- Existem mundos, um deles são das almas que se perdem, mas outro é esse no qual te trouxe hoje. Esse é o futuro, pessoas do seu mundo estão brincando com os portais, as pessoas daqui já sofreram muito, elas só querem paz, e você sabe como trazer isso a elas, não só a elas, mas aos perdidos de vários mundos. Só que isso sempre gera um sacrifício em você. Você não é louca, e quando acordar vai saber disso.
Acordei já era 8h40, eu estava muito atrasada pro trabalho.
Tomei um banho rápido, me vesti e desci pra pegar a bicicleta. E então na garagem de casa eu vejo algo (a folha na foto) e quando sai... O jardim estava exatamente como no sonho.
Só fico a me perguntar... Quantos dias eu fiquei fora dessa vez...


segunda-feira, 3 de setembro de 2018

Nuvens

A cidade corre
Em ti, paro
As nuvens voam, rápido, mais rápido, cada vez mais rápido.
Seu cheiro, inalo.
Os carros vão, o ônibus vem, vai, vem, vai, vem o cão, late, a roda da bicicleta flexiona o chão, o arranha, gasta a borracha, bambeia, ligeira
Em seu rosto meus lábios, pousam.
Pernas apressadas trocam de assento, e outras pernas sentam, levantam, voltam a sentar
Meu sorriso em ti, exalo.
O rosa do céu brinca de esconde-esconde com a chuva
Nós, respiramos
Tudo gira
Nós, simplesmente... Dançamos.

quinta-feira, 23 de agosto de 2018

12 de setembro de 2017

Eu estava numa casa que sonho com ela desde criança
Antiga
Com janelas enormes
Estilo aquelas casas de roça sabe?
Estava tudo escuro, e eu estava sentada no chão da sala, mas não haviam móveis algum.
Só uma vitrola que tocava uma música do Pavarotti
Então eu comecei a tirar da minha boca uns espinhos grandes grossos e pretos, e saia mto sangue...
E eu sentia muita dor, porém não chorava
Então quando tirei todos os espinhos alguém bateu na porta, abri e recebi um pacote com um bolo lindo
Comi ele
(Mas eu sempre com o olhar perdido)
Então depois de comer o bolo, comecei a tirar novamente os espinhos
Porque o bolo tinha espinhos.

quinta-feira, 26 de julho de 2018

Tenho sonhado repetidas vezes que eu cometo suicídio
Não encaro como pesadelo...
Porque o desejo tanto...
Na primeira vez eu me deitava em um trilho de trem e esperava ele passar pela minha cabeça, morte rápida...
Da segunda... Estava um por do sol lindo, céu dourado, ventava muito... A avenida lotada, carros... Caminhões... E então eu saltava. Voava e beijava o chão, ainda sentindo meus ossos quebrados via o carro vindo, o primeiro desviava, mas o caminhão não... O senti me atravessar... E então tudo sumiu...
Hoje... Eu pegava uma arma, ainda me lembro do peso dela nas minhas mãos... E puxava através da minha boca
Puf
Tudo acabou
Agora estou aqui
Mais uma vez
Como queria que não fosse apenas sonhos